#navbar-iframe { height: 0px; visibility: hidden; display: none; }

terça-feira, 10 de junho de 2014

A AMANTE DE FREUD - RESENHA DE LIVRO


Gosto da ficção que se mistura com a realidade, um personagem que é citação numa biografia, uma  suposição, um boato e o escritor transforma numa história, mistura com a realidade, de forma a confundir. Foi desta forma que as autoras montaram este livro, dentro da hipótese de que Freud e sua cunhada.
O pano de fundo é Viena do século XIX, com enfoque na condição de vida da mulher, retratada nas histórias de Minna e sua irmã Martha, mulher de Freud.
Minna era uma mulher com gostos e atitudes excêntricos na época, gosta de ler e tem opinião sobre os fatos. Seu noivo morreu e ela decide não se casar. Não havia para a mulheres a opção de profissionalização, restava as solteiras de classe média, serem damas de companhia ou governantas de famílias ricas.
Num momento de crise, em que perde o emprego, vai se refugiar temporariamente na casa da sua irmã. Ao tempo em que a ajuda a cuidar dos seis filhos, se envolve com o cunhado, debatendo seus avanços na construção da teoria psique humana, em longas conversas noturnas no escritório. Destas conversas intelectualizadas vai nascendo uma paixão ardente e proibida entre um homem estudioso das teorias sobre a sexualidade mas vivendo um casamento infeliz, e uma mulher que se ousa nadar contra a corrente das convenções.
Apesar das cenas românticas e até com alguns toques de sensualidade, o foco do livro não é o romance, mas no conflito da personagem na sua luta para conciliar o carinho por sua irmã e o obsessivo desejo pelo cunhado.
Depois do entusiasmo inicial Freud vai gradativamente se afastando, envolvido com seus estudos, descobrindo outras influências intelectuais deixando Minna cada vez mais repleta de dúvidas, anseios, medos e culpas.
Ao final do livro as autoras expõem onde se fundamentam as hipóteses deste caso amoroso, uma declaração de Carl Jung, em 1957, e do hiato no período do provável caso extraconjugal, nas cartas pessoais de Freud doadas por sua filha Ana e do achado de registros de hospedagem do casal em um hotel na Suíça.
AUTORAS - KAUFMAN, J ; MACK, K
EDITORA - Casa das palavras, 2013



3 comentários:

Ramon Prates 16 de junho de 2014 13:23  

Sempre que vejo uma resenha sua de livro lembro que ainda tenho vários livros para ler. Ultimamente tenho lido mais quadrinhos.

Bergilde 24 de junho de 2014 15:39  

Ultimamente tenho também aproveitado o quanto possível a companhia dos livros ainda que por breves momentos durante o dia,mas há livros como este que você refere que decisamente nos portam a reflexões até mais profundas acerca dos relacionamentos afetivos.Bons temas e ótimas leituras,grande abraço minha querida!

ALUISIO CAVALCANTE JR 25 de junho de 2014 09:08  

Olá

Um livro recomendado
é um novo caminho
a ser percorrido...

_____________________

Há quem acredite
que felicidade
vem por acaso.

Mas felicidade
é um compromisso
com a vida,
com os outros,
e com nós mesmos.

Por isso faça e seja feliz.
Que este seja o seu compromisso fiel.

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO