#navbar-iframe { height: 0px; visibility: hidden; display: none; }

terça-feira, 20 de novembro de 2012

NAVIO NEGREIRO


Cruzando o tempo daqui se vê
muito negreiro vendendo o quê?
Traz escondido em seu mar querer:
áfricos, tráficos, vida e ser.
Varando as ondas escuto a dor.
Feito um lamento: aí meu Senhor !
Onde a razão trata do furor
canta a vingança de clara cor.

Por todo mar há liberdade.
Há muito dom de verdade
Cada lugar do oceano.
Faz onda como deseja,

Todo corrente é quimera 
só quem pretende guarda a dor
Todo negreiro é navio mêrce, 
de muitas ondas, de outro querer
Quem prende alguém, a qualquer dever,
Torna-se escravo até sem saber
Quem é mais livre: corrente ou pé?
Mordaça, voz, sombra ou luz até
Eis o silencio a resposta é
Livre é quem vive de fé em fé.

Gladir Cabral

As fotos são de Vitória Cristina Aranha e Adenor Gondim.
E para que quer alegria e liberdade ouça  Siyahamba- cantada pelo Mwamba Children's Choir



3 comentários:

Bergilde 22 de novembro de 2012 14:06  

Visitar seu blog é encontrar boa leitura com estilo e enriquecimento cultural.Esse vídeo pra mim é novidade.Achei o máximo as informações e o salto nas nossas origens.Demais essas crianças.Amei!

Georgia Aegerter 26 de novembro de 2012 13:50  

Marta, que lindo este coral. Uma beleza e um enriquecimento.

O poema me fez lembrar Navio negreiro de Castro Alves.


Bjos

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO