#navbar-iframe { height: 0px; visibility: hidden; display: none; }

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

O AMADO - VIDA DE ESCRITOR

Já li inúmeros livros, saboreei muitos deles devagar, pelo enredo, pelo bom uso das palavras. Assim é extremamente difícil eleger um deles para esta blogagem. O gosto pela leitura começou com o Lobato, seus alegres personagens povoaram de alegria minha infância. Depois me encantei com o Erico Veríssimo, Clarissa foi minha companheira na adolescência. Vieram também o Machado, o Graciliano, a Clarice, a Raquel.

Mas um outro autor foi despertando minha atenção, especialmente porque pela sua linguagem livre e suas história envolvendo personagens bem populares, não era recomendado para mocinhas bem comportadas. Tinha que lê-lo escondido, tirava o livro discretamente da estante, geralmente à noite, para ler enquanto todos dormiam.

Desta forma, li Gabriela, cravo e canela. Os personagens nada convencionais: mocinhas rebeldes, prostitutas, coroneis, jagunços, e as histórias deliciosamente bem humoradas e cheias de surpresa me envolviam e afugentavam o sono. Sem dúvida que a proibição dava a leitura um prazer adicional, mas o encanto vinha também da história está ambientada na cidade onde em nasci. As ruas, os locais descritos faziam parte do meu cotidiano.

Outros livros vieram na sequência. O mais entusiasmente foi sem dúvida as história dos pescadores e o poético amor de Guma e Lívia, de Mar Morto. Sonhava ser morena e filha de pescador, mas era branca, filha de comerciantes.

É claro que depois teci muitas críticas a literatura de Jorge, especialmente aos últimos livros, já não tão bem elaborados artisticamente. Entretanto não tenho dúvida de que ele foi um grande contador de histórias e suas obras são um canto de amor a Bahia. Em alguns momentos, caminhando pelas ruas de Salvador, deparo com pessoas e tenho a sensação de que estou diante de um dos personagens de Jorge. Acho que está admiração pelo povo sua beleza e sua sabedoria é o que ainda permanece em mim, despertadas pelo Amado.


Este post faz parte da blogagem coletiva Vida de Escritor, puxada pelo Fio de Ariadne.



9 comentários:

Tempestade 12 de outubro de 2009 22:20  

De Jorge Amado li somente Capitães de Areia o qual muito me agradou.
Tenho essa mesma sensação que você ao ler autores da minha terra, como Fernando Sabino ou Roberto Drummond quando descrevem as esquinas e ruas de Belo Horizonte.
É mágico ler e poder passear pelo cenário contado nos livros, não é?
Beijos Tempestuosos!

Janaina Amado 12 de outubro de 2009 22:33  

QUE BOM encontrar aqui as histórias, a brasilidade e o encanto de Jorge Amado! Abraços.

Cristina e Márcia 12 de outubro de 2009 22:55  

Tucha, eu tb li "Mar Morto". E gostei muito. Tenho aqui comigo "Farda, Fardão Camisola de Dormir, mas não consegui ir à frente.
Muito legal ver Jorge Amado por aqui!!!
Beijos, Márcia

Carlucha 13 de outubro de 2009 08:31  

Jorge Amado, sem nunca abandonar suas raízes nacionais, expõe de maneira brejeira os personagens , mostrando não só as mazelas, mas tbém a sensualidade, o folclore e as tradições brasileiras. Bjo

Vanessa 13 de outubro de 2009 10:06  

Mar Morto é um dos meus livros mais queridos. Muito obrigada pela participação. Seu post ficou ótimo.

Abraço

Georgia 13 de outubro de 2009 11:03  

Tucha, Mar morto tenho ele aqui em alemao, acredita? Christian gostou de lê-lo.

Bjus

Lunna 13 de outubro de 2009 12:22  

Bon giorno carissima, eu li Mar Morto e Capitães da Areia do Jorge Amado, mas isso foi no tempo colegial/faculdade. Depois não me interessei mais pelo estilo.
Deve ser trauma de leitura obrigatória.
Beijos

Dan 13 de outubro de 2009 12:27  

Oi Tucha,

Jorge Amado é maravilhoso, acho que seu universo encantou toda minha geração. Espero que as novas continuem lendo este que é um dos maiores escritores do Brasil. Sua obra está aí, para ser lida, relida e apreciada.

Abraços

Dalva 13 de outubro de 2009 23:50  

Tucha,

Jorge Amado foi muito importante numa época de minha vida, quando estava descobrindo o prazer da leitura... foi um dos primeiros escritores brasileiros que li. Lembro-me que fiquei encantada pelo lirismo de Mar Morto, e pelo realismo de Capitães de Areia.

Um beijo!

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO