#navbar-iframe { height: 0px; visibility: hidden; display: none; }

sábado, 3 de outubro de 2009

MANTAS BAIANOS

A palavra mantra vem do idioma sânscrito, Man, mente - Tra, alavanca. Na cultura oriental, eles são como orações, entoados para facilitar a concentração durante a meditação, energizar, adormecer ou acordar. São usados no hinduísmo, e nas diversas linhas do budismo, escritos em sânscrito, em tibetano e em japônes. Já tentei, mas pra mim não funcionou repetir palavras que não compreendo o significado, não me trouxeram força, não me alavancaram.

Daí achei incrível a idéia de Aninha Franco numa crônica na Muito (revista dominical do jornal baiano A Tarde), trazendo o Raul Seixas como um criador de mantras mágicos. Fiquei "viajando", identificando outros mantras baianos, versos de músicas que ajudariam a enfrentar a vida com energia e força, ou, pelo menos com mais humor e alegria.

Começo com um dos mágicos de Raul, que Aninha chama de mantra da leveza mental, segundo ela, explica a possibilidade de dormir lagarta e acordar borboleta. "Prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo".

Nos dias em que a tristeza chega sorrateira invadindo o coração, entôo dois mantras de Caetano: “Mas uma coisa acontece agora em mim, cantando eu mando a tristeza embora”, e "Ser feliz, o melhor lugar é ser feliz, o melhor é ser feliz, onde estou, não importa tanto aonde vou, o melhor é ter amor”. Eles fazem abrir o chacra da alegria (será que existe?), um sorriso aberto e franco.


Para saudar o dia em sua caminhada, também uso versos de Caetano:

Todo dia o sol levanta e a gente canta ao sol de todo dia


Fim da tarde a terra cora e a gente chora porque finda a tarde

Quando a noite a lua mansa a gente dança venerando a noite

Na mesma linha contemplativa, agora para cantar à beira mar, versos do Buda Nagô, Dorival Caymmy. "O mar quando quebra na praia, é bonito, é bonito."


Naqueles dias em que a vida embola, tudo parece confuso, parecemos estar no olho do furação, acredito que cabe um mantra dançante do Gil:

Vida,
Vida,é assim
Vida é assim
Vida humana

Vida é alegria
Vida me dá prazer
Vida é a luz do dia
Vida vadia
Vida é o amor
Vida é cor e confusão
Vida é som e paixão
Vida é alegria
Vida me dá prazer
Vida é a luz do dia
Vida vivida
Vida é o amor
Vida é cor e confusão
o sagrado, da força do divino
Vida é som e paixão

Mantra ou não, a música nos aproxima da natureza, nos eleva ao sagrado. E você, quais são os seus mantras?

3 comentários:

Carlucha 4 de outubro de 2009 08:00  

A-do-rei! Muito legal o seu post! Gostei tanto que vou reproduzi-lo no meu blog! Espero que não se importe... Passe lá pra ver! Bjos

Dalva 4 de outubro de 2009 13:53  

Concordo, a música tem o dom de exorcizar nosso fantasmas! Deveriamos ter uma para cada momento do dia... e como não podia deixar de ser, o meu mantra de hoje (domingo) é baiano, também:

"Um velho calção de banho,
o dia pra vadiar.
Um mar que não tem tamanho.
Um arco-íris no ar."


Boa semana!

Bjs.

Tucha 4 de outubro de 2009 18:15  

Tudo bem, Carlucha sem problemas... E Dalva este mantra feito por um carioca em tempos baianos.... dica sendo baiano de Itopoã

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO